quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Feliz Natal, amigos e amigas POETAS!!!!!!
Um 2010 repleto de dias santos e abençoados!!!!!!

animações e imagens

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Há tanto a dizer
Mas a palavra travou.
Áspera.

 Alheia ao momento
em que cato ás avessas
   a verdade

 em capítulos
...



quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Eu sei


Se eu berrasse toda minha dor, talvez eu não estivesse aqui como pugilista, me nocauteando ainda no primeiro round.
Não,não estaria.
Talvez eu pudesse digerir o mantra da semana: Eu sei....eu sei....eu sei....eu sei...
Eu sei de tudo, mas não quero saber.
eu sei que não tem mais volta.
Mas não quero saber.
Eu sei que seus olhos estão em outra pessoa.
Mas não quero saber.
Não quero saber de nada.
está tão escuro... Vamos abrir a janela, vamos?
De repente se sol entrar, tudo melhora.
Tudo não ficaria assim...tão....
sem você.
Eu sei.
Tenho que aprender daqui pra frente.
Eu sei.
Nunca mais seus olhos de céu sobre mim.
Eu sei.
Caminhos opostos.
Direção inversa.
O caminho é para lá.
Eu sei.
eu sei.

Arruma um canto pra eu chorar.

(Postado Originamente  no endereço:http://ziriguidumpower.blogspot.com/)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009


(imagem Maggie Taylor)

Chuva





Chove manso no telhado.
Procuro a chave para abrir a porta.
Mas descubro que estou fechada por dentro.
E o pior de tudo: Estou molhando nessa chuva fria.




(Publicado no Livro " Na Rota/ 2004)


quarta-feira, 28 de outubro de 2009


" Me sinto Livre para fracassar"

Para sentar no banco e chorar todo tempo que perdi dilacerando...

Me sinto livre para voltar atrás e começar uma nova escrita
que não terá fadas veladas nem vigas de carvalho.

Me sinto livre...

Infinitamente liberta das amarras das coisas gratuitas.
Os abismos dão pequenos arranhões, e vou seguindo sem fazer sonetos.

Ser. Não ser. Tempo para estar.

Se reconhecer.
e voltar a pé do meio do caminho.

sábado, 24 de outubro de 2009

Vestido de Abelhas


Essa imagem da Maggie Taylor postada acima me inspirou de tal e qual, que
me fez compor.


Ela vestia um vestido de abelhas
numa manhã de um dia comum.

Ela visitou cogumelos, assanhou passarinhos
e mutuamente cantou estrelas e redemoinhos.

Por andou deixou saudade
largou seus rastros a passos largos
Desfez as gramas
Enquanto os pés de amendôas escondiam as rolinhas.

Anoiteceu
e enquanto a chuva entupia as rosas
ela chorou um vale de mel.

Não havia múrmurios na calada da noite.
Apenas sonhos esquecidos, lamuriando-se,
à escolha da vizinhança.

Publicado também no Diario da Fafi

quarta-feira, 21 de outubro de 2009


Ventos de chuva
Os brotos murcham.



terça-feira, 20 de outubro de 2009

Meu amor é tanto por isso
vou sonhando-te alhures....

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

...



Sou feita de recantos
Onde me escondo
Quando tudo fica óbvio.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Patient Gardener


(Maggie Taylor-Patient Gardener).

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Estado de Anemônas

Sublimei as intenções
me desfiz dos nós.
Livre.
E feliz.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Blecaute

Encontrar a minha voz..
Este é o meu destino por estes dias...
A palavra está assustada e resolveu se recolher.
Eu a respeito e a entendo.

As coisas precisam de tempo para se entenderem

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Bienal do Rio

No dia 19, ás 11 da manhã estarei na Bienal divulgando meu livro "O Menino que queria chorar estrelas"





Ficaria feliz de vê-los por lá!

Pavilhão Azul,Stand GO3.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Única

Inventar dias claros

Inventar dias claros
Pra fugir da solidão.

Esta solidão que é tão densa e profunda
Que cega as entranhas, que fecha as fendas da saída...

Inventar dias claros e se surpreender com os efeitos.
Se vou por ali, tenho a mínima chance de que o amor dê certo
Para quem espera companhia
Esta é uma terrível profecia.

Do homem que emudece de medo
De medo de errar...
De medo de amar...

Se vou por ali tenho a mínima chance de nunca mais voltar.

E se a porta é só de saída, como vou inventar dias claros
Pra distrair minha rotina?

Como vou parecer infeliz no dia do julgamento final?

Se vou por ali, vou por ali simplesmente
Porque assim estava escrito nas linhas das minhas mãos.

É inexplicável a beleza das pessoas
Assim como suas decisões.

Se vou por ali, é porque simplesmente
As andorinhas me apontaram o caminho.

Se haverá guilhotinas, somente com passos saberei dizer.
Se haverá tristeza, tampouco me importa, não acredito em provocações.
Se haverá dor, antes que eu perceba, o corte será dado.

E aí, então, estarei ali mesmo.

Simplesmente parada, desabrochando de imaginação.
Imune.
Impregnada de melancolia e inércia.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Natureza Feminina

Rosa orvalhada

Desce a mão pelas minhas coxas...
Desce...
E não faça piadas com minhas risadas imprevisíveis
A minha ansiedade última
consiste que abras essa porta
para que eu me desfaça trêmula, em suas mãos.

Desce a mão pelas minhas coxas ...
desce...
e enquanto o fogo arde sem estranhezas
te lembro baixinho de sugar a sua rosa orvalhada.

Sem escapatória,me desfaço numa oração sem sobressaltos:

Que isso nunca se acabe...
Que isso nunca se acabe...
Que isso nunca se acabe...

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Sem Volta

Me explica como vou poder amar
novamente se você insiste em ficar dentro de mim?

Minha boca arreganha os dentes e
antes que eu grite e quebre os bibelôs
seu sorriso me derruba e destrói minha fúria assassina

Me diz como vou poder amar novamente
Se você seca minha garganta e sangra fogo nos meus desertos?

Mergulha estes veludos na minha languidez
Incendeia meu pulso, me acolhe nestes dias de temporal.

Este seu cretino amor que frequenta minha alma
pedindo abrigo sem sombras,
alimentando minhas noites pornográficas pra no outro dia
ir embora sem sequer dizer bom dia, é pura dança na escuridão.

O que quer de mim, afinal?
Conta-me sem sem fazer danças de roda.

Tenho a fúria sem luvas
os sapatos virados com as solas pra baixo
denunciando meu mundo virado de ponta a cabeça.

Rompe com a linguagem
caia sem dó na neblina
Saia daqui e feche a porta.

Esqueça, me esqueça

Tenho medo quando tudo é assimétrico
e faz sombra.

Porque você não usa a janela de emergência pra poder sair?

Me atira palavras cruas
enfia os pés pelas mãos
negue nossas memórias.
Não seja esse pedaço doce em mim.

Vai embora.
Quero minha paz de volta e meus pensamentos liquidos,
secando á luz do sol.

sábado, 8 de agosto de 2009

Queda

Obstinadamente
obstinada
mente
obsti
na
da
men
te
obstinadamenteobstinad
a
me
n
te
osbsti
nada.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

psiu poético


Entre os dias 04 (Dia Municipal da Poesia) e 12 de outubro, acontece o 23º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético, em Montes Claros - MG.

Na programação, workshops, lançamentos de livros, palestras, debates, performances, recitais, shows musicais, cinema, teatro, dança e outras intervenções, tendo sempre a poesia como foco. O evento acontece em diversos locais, passando por favelas, universidades, escolas, parques, mercado central, praças públicas, shopping, rodoviária, Teatro Cândido Canela e ruas da cidade.

As inscrições vão até o dia 28/08. Podem inscrever-se poetas de todo o Brasil e exterior, com o envio de 1 a 3 poemas, e o tema é livre.

O Salão Nacional de Poesia Psiu Poético acontece, anual e ininterruptamente, desde 1987, homenageando 6 poetas vivos em cada edição.

Você encontra o regulamento aqui


Outras informações:
Aroldo Pereira
38 9112-7011 / 3229-3458
e-mail: psiupoetico@gmail.com

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Bolsa Funarte de Criação Literária.

Encerram-se no dia 13 de agosto as inscrições para o edital Bolsa Funarte de Criação Literária.

O objetivo do programa, que está em sua terceira edição, é fomentar a produção de textos literários inéditos nos gêneros lírico e narrativo (poesia, romance, conto, crônica, novela), contemplando dez autores brasileiros, dois de cada região. Cada um receberá uma bolsa de R$ 30 mil.

Poderão concorrer às bolsas estudantes e profissionais maiores de dezoito anos na data de inscrição, brasileiros natos ou naturalizados e estrangeiros domiciliados no país há mais de três anos.

É vedada a participação de concorrentes que estejam incluídos em qualquer política pública federal, estadual ou municipal de concessão de bolsas.

As obras concorrentes não sofrerão quaisquer restrições quanto à temática abordada.

As propostas serão avaliadas pela Comissão Julgadora de acordo com os
seguintes critérios:
a) originalidade do projeto;
b) qualidade da proposta: contextualização do projeto;
c) metodologia: Consistência, coerência no planejamento de execução do projeto.

As inscrições são gratuitas.

Acesse o regulamento e a ficha de inscrição aqui

Mais informações:
Assessoria de Comunicação da Funarte
ascomfunarte@funarte.gov.br
21 2279 8065
comunicacaosp@funarte.gov.br
11 3662-5177

Décio Pignatari

Palavras

Palavras
brincam entre as frestas das janelas
valseiam desconjuntadas entre as lembranças.
Cristais.
Elevadas a zero grau
são secretas memórias.
Imorais.
Falseiam.
Fechadas em suas crostas duras.
Punhais.
E se livres e leves
ardem às penas.
Soltas, voltam sempre ao ancoradouro.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Nas nuvens

Entre pedaços de azul
perdida na rota
lanço mão de seus rastros...

O veludo dos teus olhos
me deixa muda.

Disfarço.

Aprendi a dizer teu nome
no silêncio das minhas tempestades.
E enquanto dissolvo
o sabor sonhado do teu beijo
te escrevo um poema
que sei,nunca será lido por ti.

Um oceano volátil de intenções nos separa.

O vazio depõe contra mim
e minha escuridão que vive de narrativas
Vai me machucando com coisas antigas
desencontra histórias nunca antes ditas


E a sua solidão é tão densa
que quase posso sentir com as mãos.
Com jeitinho vou desfazendo suas teias
desamarrando os seus nós tão bem apertados

Me desmancho em micro particulas
quando me dá seu sorriso tímido
de mel e céu.

Meu pensamento não se comporta
E esse amor vai me tomando por completo
vai enchendo meu corpo de pegadas
e deserto.

E de delícias que não posso contar.

Rodrigo Capella

Rodrigo Capella prepara lançamento virtual
O escritor e poeta Rodrigo Capella, 28 anos e autor de seis livros, entre eles “Transroca, o navio proibido”, que está sendo adaptado para o cinema pelo diretor Ricardo Zimmer, prepara o lançamento virtual de mais três obras inéditas, publicadas pelo Clube de Autores.

São elas: “@ntologia online” (reúne textos dos escritores que participam da comunidade do Orkut “Dicas para publicar um livro”, criada por Capella); “Loucuras de um escritor” (traz textos sobre a viagem do escritor a Europa); e “Dicas para escrever, publicar e vender um livro” (com cinquenta orientações para quem quer entrar no mercado editorial).

O lançamento virtual será no dia 04 de agosto, das 18h30 às 20h00, com chat, power point e vídeo, no endereço http://www.ustream.tv/clubedeautores

Exílio

Vivo confinada
num mundo á parte, que inventei.
Uma geografia da solidão, sem luxúria, sem inferno...
Isolada.
Um refúgio cujas portas e janelas
dão pra dentro de mim.

Quieta, conduzo as canções que sempre amei
como um maestro sem batuta.

Voraz, ali vivo como quero.

Presa numa fingida santidade costuro dores antigas como flores de fuxico e as guardo como segredos dentro de caixinhas de música.

Nas noites sem couraça, decifro os sonhos que se recusam a envelhecer e que dançam alegremente entre os sonhos recentes que ainda jovenzinhos dão seus primeiros passos.

E quando tudo parece perfeito,
sinto você compartilhando meu exílio...

Mas estás tão distante que não adianta mais jogar a corda
Eu não te alcanço mais.
o vento é forte
E a correnteza leva tudo mesmo.

Negocio com o inevitável, te deixo ir, e continuo seguindo.

Nos dias claros,sento pra apreciar o por de sol.
Ao meu lado, eu mesma, aos 7 anos.

A garotinha me fala do amor pelo seu irmãozinho e de repente os dois saem brincando felizes como se nenhuma tragédia os tivesse atingido.

A liberdade é mesmo indecifrável...

Quando meus olhos me brindam com o impossível
percorro meu mundo descoberto
onde meu pai me olha com seus olhos verdes calmos
e caminha em minha direção com seus tamancos
me cantando uma canção sem cicatrizes - Ó Maria, tu és a mais bonita de todas que eu amei...

E eu choro.

Benvida é minha mãe que chega em meu socorro, e com seu longos e antigos cabelos seca os meus olhos de mansinho.

É quando tudo se completa, e me sinto abraçada nessa fórmula perfeita.

E quando preciso voltar pra minha vida inquilina,
Vou desolada.
Esperando que meus pés encontrem, sozinhos, o caminho.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

quinta-feira, 23 de julho de 2009

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Se ele está comigo

Se ele está comigo não sinto medo.
Me desvencilho do sono e dos meus cadernos
e me isolo feliz, em nosso mundo constituído.

Se ele está comigo
mergulho em certezas
e desafio ventanias
de janela aberta

Se ele está comigo
e se está em mim
teço nossa teia
um mistura de nossos gostos
de nossos mãos
de nossos intimos

tão cortantes e tão mutantes.

Quando estou com ele, aproveito.
Porque nunca sei em que direção vai o desasossego...

terça-feira, 30 de junho de 2009

quinta-feira, 25 de junho de 2009

domingo, 21 de junho de 2009

sexta-feira, 19 de junho de 2009

A janela

Consumada

Coso os retalhos à mão.
As costas doloridas se rendem à exaustão.
A abundância do destino sempre me foi negada.
Nunca as coisas foram como sempre.
Sempre foram opostas.
E eu nunca me importei se senti dor
Ou não.
Se chorei.
Ou não.
Vivi absorta.
Esperando que os degraus da frente fossem encerados.
E se me faltava flores,botava minhas barbas de molho
aconchegada, contemplando.
Todas aquelas noites que sonhei contigo
te chamava, e você não ouvia.
Eu roçava o rosto na almofada
ensaiava uma dança da esperança
te pedia uma flor
te prometia minha mão
E acordava a um passo de um baile de máscaras.
Mas eu não me importo mais.
Nem com os sentidos.
Nem com a fome.
Tenho olhos.
e pássaros.
braços.
e minha contemplação.

domingo, 14 de junho de 2009


(roubado da Marina W)
Só.
tão

que
até
a
palavra
está
só.

domingo, 7 de junho de 2009

Campanha do Agasalho

Gente, tem feito tanto frio estes dias, e tem tanta gente que não pode ter agasalhos quentinhos como os nossos.

Acho essa campanha muito linda, e muito solidária.

Se você pode participar, participe.

A gente melhora nossa vida e a do planeta, doando nosso tempo e as coisas que estão nos sobrando para quem realmente precisa.

video

quarta-feira, 3 de junho de 2009

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Poetica Diasporica

Candomblé
Luta
Feijoada
Mimo

Capoeira
Quibebe
Caxixi
Umbanda

Samba...

Perseverança
Preto velho
Enxada
Quintessência
Remolejo

Esperança....

Alquimia
Requebrado
Erê.
Persistência.

Fé....

Herança
Tradição
África...

domingo, 17 de maio de 2009

Delicadeza

poesia

Escrevo um verso
e outro
e derramo sobre as folhas
minha vida como cortes de seda

Espio sob os óculos
e é tão translúcido o céu
e são tão vívidas as cores da nautureza
Que sou capaz de ficar só a escuta.

E sou capaz de sentir os corredores tão cheios de espiritos que
não me fazem mal.

Ao reino das palavras submeto minha delicadeza.
e entre uma prosa e outra
alinhavo um verso
imito uma rima
e fico embevecida colhendo a dádiva oferecida

sábado, 9 de maio de 2009

Lambe-lambe

Para nosso deleite, a delícia de Elisa Lucinda

quinta-feira, 7 de maio de 2009

terça-feira, 5 de maio de 2009

Tráfego

Meus pensamentos voam como borboletas

enquanto o amor ultrapassa todas as ruas com sinais fechados

e se atreve a chegar até o ponto onde não tem mais voltas

e nem curvas abertas.

E assim,me entrego a ti

Sem medo de trafégo e engarrafamentos.

Universo Particular

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Il y a des fleurs partout pour qui veut bien le voir.

Matisse

quinta-feira, 30 de abril de 2009


Sobre panos
sobre muros
sobre tudo que foi dito
Fujo.
As palavras no meio
impedindo que a poética se instale
sobra retórica
sem sentido
sem sal
que nada acrescenta
que tudo leva
como mar na areia
não sobre nada
nem um
pinguinho

de

lucidez

pra
contar

essa

história.

domingo, 26 de abril de 2009

CASA DO POETA DE CANOAS

CONCURSO DE POEMAS - Edição 2009


A diretoria da CASA DO POETA DE CANOAS, no uso de suas atribuições estatutárias, torna público o CONCURSO DE POEMAS DA CASA DO POETA DE CANOAS - Edição 2009, que selecionará os melhores poemas, observadas as especificações constantes deste Edital.

O prazo de inscrição para a participação no CONCURSO será de 20 de Abril a 31 de Maio de 2009, mediante o encaminhamento das obras literárias à Coordenação Geral do Concurso, conforme disposto no item 2 deste Edital.



1. DO OBJETO

1.1 O presente Edital tem como objeto a seleção de obras literárias, na modalidade POEMA, observadas as especificações abaixo:

1.2 O CONCURSO DE POEMAS DA CASA DO POETA DE CANOAS - Edição 2009 objetiva selecionar e destacar os trabalhos com maiores qualidades literárias.

1.3. O concurso será dividido em duas categorias de participantes:

Ø CATEGORIA JUVENIL (até 18 anos)

Ø CATEGORIA ADULTO (maiores de 18 anos).

1.4 O tema dos trabalhos é: CANOAS (homenagem aos 70 anos de emancipação de Canoas/RS ou relacionado ao município)



2. DAS INSCRIÇÕES

2.1 A inscrição no Concurso dar-se-á mediante encaminhamento das obras literárias ao endereço:

Coordenação Geral do:

CONCURSO DE POEMAS DA CASA DO POETA DE CANOAS - Edição 2009

Rua Araújo Lima, 150 – Centro

92010-110 - Canoas/RS

ou entregue no

Quiosque de PLANOS DE SAÚDE

LOJA 52 – VIA PORCELLO

Av. Victor Barreto, 2584

Centro - Canoas/RS

2.2 As inscrições só serão recebidas pelo correio até dentro do prazo estabelecido, considerando, para tanto, a data de postagem dos correios.

2.3. Cada participante poderá inscrever apenas 1 (hum) trabalho.

2.4 Não será admitida a participação em co-autoria.

2.5 No ato da inscrição, o candidato deverá apresentar o trabalho em 03 (três) cópias impressas, na seguinte formatação: em papel A4, fonte 12, com no máximo 30 versos (linhas) com o título da obra e o pseudônimo;

2.6 As cópias impressas deverão ser encaminhadas em envelope de tamanho grande, identificado, no seu exterior, com:

Ø Categoria (JUVENIL ou ADULTO);

Ø pseudônimo do autor no lugar do remetente.

Ø ENDEREÇO COMPLETO

2.7 Além das cópias do trabalho, o envelope em tamanho grande deverá conter um envelope em pequeno lacrado, contendo em seu interior a ficha de inscrição ASSINADA (e a autorização do responsável, no caso da Categoria Juvenil) e identificado em seu exterior com:

Ø títulos dos trabalhos;

Ø CATEGORIA (JUVENIL ou ADULTO);

Ø pseudônimo do autor.

2.8 As obras literárias inscritas não serão devolvidas, sendo incineradas após o encerramento do concurso.

2.9 É responsabilidade exclusiva do autor inscrito (ou seu responsável) a observância e regularização de toda e qualquer questão relativa a direitos autorais.



3. DA PARTICIPAÇÃO

3.1 O CONCURSO DE POEMAS DA CASA DO POETA DE CANOAS - Edição 2009 é de abrangência nacional e aberto a todo escritor que produza em língua portuguesa

3.2. É vedada a participação dos membros da comissão organizadora e/ou da comissão julgadora e seus parentes de até terceiro grau no presente Concurso.

3.3. Os autores menores de 18 anos de idade deverão apresentar autorização escrita do pai ou responsável legal, conforme Modelo anexo.



4. DO JULGAMENTO

4.1 Os trabalhos apresentados serão submetidos, para análise e julgamento, à Comissão Julgadora constituída de pessoas com reconhecida capacidade intelectual, cuja decisão será soberana, não cabendo qualquer recurso quanto aos resultados por ela apontados.

4.2 Os nomes dos integrantes da Comissão Julgadora serão divulgados juntamente com a publicação dos resultados.

4.3 Os poemas serão julgados com base nos critérios de criatividade, qualidade técnica do texto e domínio da língua portuguesa.

4.4 A Comissão Julgadora poderá, a seu critério, conceder Menção Honrosa.

4.5 O resultado do Concurso será divulgado no endereço eletrônico www.casadospoetas.com.br, durante a 25ª Feira do Livro de Canoas.

4.6 Os autores classificados serão contatados através de correspondência pessoal e convidados a participar do evento de premiação, que está previsto para ocorrer durante a 25ª Feira do Livro de Canoas.



5. DA PREMIAÇÃO

A premiação para ambas as categorias será de:

1º prêmio: Certificado, uma cesta contendo 5 livros de Escritores Canoenses, as 4 Coletâneas da Casa do Poeta de Canoas e a publicação gratuita da obra na 5ª Coletânea da Casa do Poeta de Canoas;

2º prêmio: Certificado, as 4 Coletâneas da Casa do Poeta de Canoas e mais 3 livros de Autores Canoenses;

3º prêmio: Certificado e as 4 Coletâneas da Casa do Poeta de Canoas.

As Menções Honrosas, se houverem, receberão certificados.



6. DOS DIREITOS E OBRIGAÇÕES

6.1 Aos Autores será assegurado o reconhecimento dos direitos autorais dos trabalhos premiados, atendendo às especificações contidas no item 6.2 deste Edital; permanecendo proprietário(a) de seus direitos para quaisquer outros usos que não os aqui especificados;

6.2 Os autores, ao se inscreverem no presente concurso concordam com a cedência de nome e imagem à CASA DO POETA DE CANOAS para fins promocionais deste certame; e os premiados comprometem-se a atender, sempre que possível, a convites decorrentes da divulgação da obra em projetos e/ou programas desenvolvidos em parceria com a CASA DO POETA DE CANOAS.

6.3 À Comissão Organizadora compete promover a divulgação deste Edital nos meios de comunicação e no endereço eletrônico http://www.casadospoetas.com.br/ www.casadospoetas.com.br e publicar os resultados dos textos selecionados pela Comissão Julgadora, de acordo com as especificações constantes neste Edital;



7. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

7.1 O ato de inscrição implica no conhecimento e concordância com os termos do Concurso estabelecidos no presente Edital.

7.2 Os casos omissos serão decididos pela Comissão Organizadora.

7.3 Eventuais pedidos de esclarecimento deverão ser encaminhados ao endereço eletrônico poeta@casadospoetas.com.br.

7.4 O descumprimento das obrigações e regras constantes do presente Edital, por parte dos participantes, implicará na eliminação imediata destes do certame.



Canoas/RS, 15 de Abril de 2009.

COMISSÃO ORGANIZADORA DO CONCURSO:


MARIA DOS SANTOS RIGO

Presidente da CASA DO POETA DE CANOAS

NEIDA ROCHA – Comissão

NELSI INÊS URNAU – Comissão

sexta-feira, 24 de abril de 2009

sem título


Dê-me então, aquilo que mereço.

Dê-me disfarces, cascas de cigarras

para que eu possa confudir minhas verdades.

Dê-me a cólera,para que eu tenha coragem de jogar fora tudo aquilo que me assola:evocações distantes de passos no vazio,
as letras mortas de livros que de tão velhos e usados soltam as páginas nas mãos.

Dê-me aquilo que mereço.

Que sei que não é o que desejo.
Minhas necessides abrandaram com o tempo das dores.
As traças do amor destruíram o pouco que sobrou.

Restou-me o quê?

Quase nada.

Na balbúrdia dos dias, resta-me apenas uma réstia de sol
que insistente, teima em me acordar para horas e horas de angústia e solidão.

Forjo uma armadura feita de aço e flores.
E vou à vida.

Ensimesmada.

quinta-feira, 16 de abril de 2009


Vento de leve
Bate e leva
Leva e trás
O meu bem
pra mim.

I Sarau das Poéticas Indígenas

Promoção: CASA DAS ROSAS_ GOVERNO DE SÃO PAULO

www.casadasrosas-sp.org.br

Dia 19 de abril, das 15 às 21 horas


A idéia do I Sarau das Poéticas Indígenas é reunir índios, escritores indígenas e de outras origens, clássicos e contemporâneos, cuja obra tenha inspiração indígena de alguma região do Brasil. Poéticas, pois aqui não cabe apenas uma única poética, a ocidental ou aristóteleana, mas sua diversidade que vive nos cânticos, na história oral, no ritual indígena, tendo em comum a inventividade e o encantamento com a palavra e suas possibilidades. Essa reunião de poetas e poéticas pretende dar projeção e ânimo a este ainda singelo movimento intercultural e literário que é o da literatura indígena.

Curadoria: Deborah Goldemberg

segunda-feira, 13 de abril de 2009

I Concurso Feminino de Poesia e Prosa

I Concurso Feminino de Poesia e Prosa
REGULAMENTO

I - PREÂMBULO
O I Concurso Feminino de Poesia e Prosa, cujo as normas se definem no presente documento, tem a missão de revelar novos talentos femininos da Literatura de Língua Portuguesa, especificamente de raiz brasileira, além de promover a expressão criativa e literária.
O concurso é promovido pela Brazilian Endowment for the Arts (BEA), instituição não-governamental, sem fins lucrativos, sediada em 240 East 52nd Street, New York, NY 10022, por ocasião do Primeiro Congresso Feminino de Escritoras Brasileiras em Nova York, a ser realizado de 14 a 16 de outubro de 2009.

CANDIDATAS
O concurso está aberto a qualquer mulher, brasileira nata ou naturalizada. A participante pode residir dentro ou fora dos Estados Unidos. O trabalho, contudo, deve ser escrito em Língua Portuguesa, com exceções feitas para estrangeirismos utilizados por licença poética, ou que tenha adquirido uso corrente e foro de linguagem.

III - MODALIDADES
Ficam estabelecidas duas modalidades: Poesia e Prosa.
Cada participante pode inscrever-se com o máximo de 1 (um) trabalho em cada modalidade.
Candidatas que participem em mais de uma modalidade devem fazê-lo através de inscrições distintas em envelopes separados, ficando a critério pessoal escolher outro pseudônimo ou não.

IV - DAS INSCRIÇÕES E TRABALHOS
As inscrições para o I Concurso Feminino de Poesia e Prosa estão abertas desde 10 de abril a 31 de julho de 2009.
Os trabalhos devem ser enviados a I Concurso Feminino de Poesia e Prosa, Brazilian Endowment for the Arts, 240 East 52nd Street, New York, NY 10022.
A participante deverá enviar os trabalhos a serem julgados em cinco vias, contendo apenas título e pseudônimo da autora. O verso da folha deve ser utilizado para a indicação do pseudônimo da candidata. Trabalhos com mais de uma página devem ser grampeados, suas páginas numeradas.
Dentro do envelope deve constar além do trabalho:
§1. Outro envelope lacrado, identificado na face apenas com o pseudônimo e nome do trabalho enviado e contendo formulário de inscrição devidamente preenchido;
§2. Ordem de Pagamento (Certified Check or Money Order) no valor de $20 dólares. A ordem de pagamento deve ser identificada apenas com o pseudônimo (e não o nome real) da autora.
Quaisquer trabalhos que não sejam remetidos nesta configuração ou identifiquem de qualquer forma a autora será automáticamente desqualificado.
Os trabalhos literários devem ser digitados em fonte Times New Roman, corpo 11, em espaço dois. Trabalhos em prosa não devem ultrapassar 15 páginas, tamanho Letter ou A4.
Os trabalhos não enviados até a data limite serão eliminados. Exceção é criada para trabalhos recebidos dentro de sete dias úteis depois do prazo final, desde que tenha data de carimbo postal de 31 de julho ou anterior.
Os trabalhos enviados não serão devolvidos.
A taxa de inscrição deve ser remetida na forma de Ordem de Pagamento (Money Order ou Certified Check) para cada trabalho enviado. Concursados residentes no estrangeiro que queiram participar são responsáveis por enviar ordem de pagamento redimível em território norte-americano.
O formulário de inscrição pode ser obtido através da página eletrônica http://www.brasilianendowment.org ou diretamente na Biblioteca Brasileira em Nova York.



V - DESCLASSIFICAÇÃO

Envelopes ou outra informação que identifique a autora pelo próprio nome.

Trabalhos enviados em disquete ou qualquer outro veículo eletrônico.

Poesia e prosa no mesmo envelope.

Trabalho enviado por qualquer funcionário ou membro do quadro diretor da Brazilian Endowment for the Arts.

Trabalhos que apresentem qualquer indício de plágio.

VI - PREMIAÇÃO
O primeiro colocado em cada modalidade será contemplado com a soma de $500 (quinhentos) dólares. O segundo colocado, com $300 (trezentos) dólares;
Outros dez colocados além dos supra citados serão agraciados com Menção Honrosa;
Os doze melhores trabalhos em cada modalidade terão seus trabalhos publicados em antologia a ser publicada em 2010 pela Brazilian Endowment for the Arts;
Os primeiros colocados em cada modalidade terão seus trabalhos apresentados durante o Primeiro Congresso de Escritoras Brasileiras em Nova York, a ser realizado entre os dias 16, 17 e 18 de outubro de 2009.
Os resultados serão divulgados na primeira semana de outubro através da página eletrônica da Brazilian Endowment for the Arts e veículos de imprensa locais. Vencedoras serão contactados diretamente pela BEA.
As vencedoras serão contempladas durante a última sessão do Primeiro Congresso de Escritoras Brasileiras em Nova York.

VII - COMPOSIÇÃO E RESPONSABILIDADES DO JÚRI
O juri será constituído por quatro pessoas de reconhecido mérito literário;
A pré-seleção inicial imediatamente excluirá trabalhos que não se encaixem nas condições estipuladas no item IV (Inscrições e Trabalhos).
O júri não terá nenhum acesso ao conteúdo interior dos envelopes de identificação que permanecerão lacrados até que determine-se o resultado final do concurso.
Não haverá nenhum recurso sobre a decisão final do júri.
O júri não terá a obrigação de outorgar prêmios se os trabalhos apresentados não possuírem qualidade literária.
VIII - DIREITOS DE UTILIZAÇÃO
Os autores dos trabalhos premiados concordam em ceder à Brazilian Endowment for the Arts a autorização para divulgar, reproduzir e duplicar este trabalho, desde que exista vínculo direto com este concurso e concursos vindouros, incluindo na publicação de antologia ou material publicitário, sem que a BEA incorra em nenhum ônus financeiro ou contrato comercial com a autora.
IX - CASOS OMISSOS
Caberá ao júri decidir sobre os casos omissos neste regulamento.
A participante tem a responsabilidade de ler e compreender este regulamento. O simples envio do trabalho também implica a aceitação total deste documento.
Informações complementares podem ser obtidas com Antônio Massa através do e-mail concursoliterariofeminino@verizon.net.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Miudezas

Encontrar
meu olhar
dentro do teu mar

Fartar-me de
teu sorriso.
Recorgitar
felicidade.

Velar teu sono
no meu peito
me esperguiçar na tua quietude

Meu universo te espera entre astros
e meu hálito soluça teus mistérios.

Te dou um último abraço
êxtase bendito

Enquanto te devoro.

Feliz.

terça-feira, 24 de março de 2009

Divulgando a rapaize:

"Caríssimos, aí vão alguns breves recados:


ALGO A DIZER - O Algo a Dizer (www.algoadizer.com.br) de março traz um poema inédito de minha autoria: A saga-sorte da espécime trôpega contra os seres-em-massa, que segue no final desta mensagem.Vale um passeio pelas demais matérias e textos de opinião do jornal, que conta ainda com entrevista concedida pelo compositor Paulo Vanzolini a Áurea Alves e Fernando Toledo, publicada originalmente n' O PASQUIM21 e ora disponibilizada na web.


QUINTA POÉTICA - Quem estiver por São Paulo está convidado a conferir a próxima Quinta Poética da Casa das Rosas, no dia 26/3, a partir das 19h. Serei um dos 15 poetas homenageados no coquetel comemorativo dos 15 anos da Escrituras Editora, pela qual publiquei o livro Idade do Zero, em 2005. A Casa das Rosas tem endereço na av. Paulista, 37 - Bela Vista (próximo à estação Brigadeiro do metrô). O convite vai no anexo.


Saudações culturais,
Zeh Gustavo."

quinta-feira, 19 de março de 2009

Pastor de Caeiro

Ser um pastor de Caeiro
e viver a vida inteira
de lua.

Ser um pastor de Caeiro,
e viver no mundo da lua.
Uma vida inteira.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Semântica

As dores

se foram

Restou

somente a linguagem.

Nada nessa vida tem semântica.

ROTEIRO DA POESIA NO RIO DE JANEIRO

www.oficinaeditores.com.br

site referendado pelo Diretório de Poesia da UNESCO

Semana de 08 a 14 de março (Dia Nacional da Poesia)

TE ENCONTRO NA APPERJ , Associação Profissional de Poetas no Estado do Rio de Janeiro - APPERJ 20 ANOS, OFICINA Editores, Sérgio Gerônimo & Márcia Leite convidam: 2ª segunda-feira do mês, às 19h, no Bar do Ernesto, Largo da Lapa, Lapa. Boletim informativo Deleites, roda de poesia, concurso-relâmpago como o tema: Balangandãs. Informações pelos tel:(21) 3328-4863 / 2447-0697 ou e-mail: apperj@apperj.com.br

SARAU CONECTE - no Bar Estilo da Lapa, na Av. Men de Sá, entre as ruas Gomes Freire e Inválidos, 3° ponto depois dos Arcos. 2ª quinta-feira do mês, às 19:30h. Coordenação de Barbara-Ella Jovanholi e Carlitos. Apoio: OFICINA Editores. Mais informações pelo e-mail: novosuivos@hotmail.com ver programação www.novosuivos.blogspot.com/2007/07/nova-1.html

ENREDA TRÊS - performances de artistas em diversas linguagens, em poesia: Jackson Sala (apperjiano) - Grávidos virgens. Dias: 4, 11, 19 e 27 de março, 14h, SESC Rio de Janeiro, Sala 3 - cobertura, Rua Teixeira Franco, 38, Ramos. Entrada franca, curadoria: Danielle Lopes. Mais informações pelo e-mail: jacksonsala@yahoo.com.br
Acesse www.oficinaeditores.com.br/roteiro.htm e descubra a poesia Brasil afora, são mais de 60 cidades-poemas.

Vem aí:
II FESTIVAL DE POESIA FALADA DO RIO DE JANEIRO (PRÊMIO FRANCISCO IGREJA) / APPERJ - APPERJ e OFICINA Editores convidam poetas ao festival. Inscrições até 15 de agosto de 2009. Encerramento e premiação, a partir das 17h, dia 28 de setembro no Auditório Machado de Assis, Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Existe taxa de inscrição e prêmio em dinheiro. Regulamento acesse www.apperj.com.br ou apperj@apperj.com.br para mais informações.
Saiba como participar da XIV BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO RIO DE JANEIRO de 10 a 20 de setembro de 2009

Valeu Ju pelas dicas. Ti amo

domingo, 1 de março de 2009

Exposição na Galeria da Árvore em Homenagem à mulher

O Pessoa do Poesia e Paz de BH pediu uma força para divulgação. Aí está.


Poesia e Arte de Clevane Pessoa


“Graal: feminino plural”

"A artista plural e escritora Clevane Pessoa, é a convidada do Museu Nacional da Poesia (MUNAP) e Fundação de Parques Municipais de BH para apresentar sua poética na Galeria da Árvore - um singular espaço de convivência artística - sob a curadoria de Regina Mello no Parque Municipal Américo René Giannetti.


Clevane traz o “Graal: feminino plural” em homenagem ao dia internacional da mulher. Com delicados desenhos carregados de força e emoção a artista discute a pluralidade e a poética feminina. Expõe desenhos inéditos combinados com poemas também de sua autoria. Na abertura, bate papo com a artista, participação especial de Luciana Campos e Karina Campos com leitura dos poemas e o nosso tradicional café da tarde.

Clevane Pessoa é psicóloga, jornalista, poeta e ilustradora ,dedicada a promover a paz no mundo, colabora com o MUNAP, divulgando poetas e construindo uma rede de amigos do Museu".

(Regina Mello)




Mostra: “Graal: feminino plural” poesia e arte de Clevane Pessoa

Abertura: dia 07 de março de 2009, sábado, às 15 h.

Data: exposição aberta de 07/03 a 02/04/2009

Horário: de terça a domingo das 6 às 18h.

Compareçam e Divulguem! Compareçam e Divulguem! Compareçam e Divulguem!

Azul


Minha voz

calou-se.

Sei ficar sozinha

sem minhas palavras.

Nada mais me surpreende nesta vida.

Só o azul.

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Al otro lado del corazón

Repasso e-mail que recebi da minha amiga del corazón Tereza Irazaba.
Tenho certeza que este é mais um lugar, onde nós poetas, poderemos nos encontrar para celebrar....


Hola a todos!

Saludos.

Tenemos el gusto de invitarles a conocer nuestra web, POESIA_AMISTAD. Podremos pasar ratos muy agradables compartiendo no sólo poesia, sino cuentos, relatos, comentarios de libros, actividades literarias, concursos poéticos, etc...

Esperamos vuestra visita.

Este es el enlace: http://poesiaamistad.puertodeluz.org/


Basta con pinchar en FORO, para que entréis en vuestra casa.

Un abrazo.

Gracias!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Ao Fundo

(imagem de Rosalina Afonso)

Desafio

Vai mesmo!
Meu anjo, vai mesmo!
Deixe-me aqui regando meus jasmins
Só não me leve os meus desejos
Estes intocáveis...

Só não me roube o céu
Nem as folhas do meu poema
Que num momento preciso
Compus pra ti.

Vai mesmo!
Meu anjo, vai mesmo!
E deixe-me de consolo
Esse ridículo amor que me consome!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Descoberta

Sublinhei mil vezes o futuro
temendo que quando ele chegasse
me encontrasse fora de orbita

sentada no canto
encurralada entre a parede e uma mesa sem pontas.

Sublinhei mil vezes os meus desejos, torcendo o braço da vida
insistindo com o destino, querendo burlar
o que não podia ser mexido.

Nunca pedi nada pra ninguém
sempre fiz tudo do meu jeito

um corpo como qualquer corpo
uma alma como qualquer alma

Por caminhos tortuosos fui andando
como num filme.

Só agora no fim da tarde
foi que me dei conta

De que a vida é pura metafisica
E eu sou apenas um moça feita de paisagens.

Vazio

Suas palavras não mais me enternecem
Não fazem mais pouso no meu coração.

Alcanço voo, vazia.
Porém, dona de mim
e da minha razão.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Diversidades


(imagem de Gaelle Boysonnard)



Vozes. Todas as vozes.

Cores. Todas as cores.

Amores.

Vem.

e

vão.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Olhares


(Imagem de Obi Puentes)
Espero janeiro
Como quem espera a morte.

O desassossego do meu coração é contagiante
E me consome.

Odeio tanto esse sentir
que minha boca amarga.

Mas sigo em frente
Devorando livros
Amando-te
Renegando-te...

Te rogo que voltes.
Porque te quero

Mas não vens...

E assim vou morrendo.

Enquanto os dias passam
e as andorinhas se recolhem dos seus voos.

Poema-dia

Recebi um convite do Vitor Barone para postar todo dia 02 de cada mês no poema dia, é um site onde todo dia tem poesia!!!

Dilícia.

Vão lá me visitar, faço questão da sua presença... poemadia.blogspot.com/

domingo, 25 de janeiro de 2009

O Vento


(Imagem de Gaelle Boysonnard)
Fecho a porta devagar.

Saio de mansinho e alheia ao movimento...

Suas poucas palavras me servirão de assombro

durante algum tempo.

Me acompanharão como almas penadas, enquanto velo o luto da tua perda.

Mas vou em frente.

Tenho dois pés.

E asas.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

ANTOLOGIA DELICATTA IV

Decidi em 2009, divulgar concursos, cursos oficinas e eventos de Poesia.

Espero que gostem da novidade.


ANTOLOGIA DELICATTA IV - PARTICIPE!‏


CONTO, CRÔNICA, POEMA LIVRE, HAICAI, TROVA E SONETO

Veja o Regulamento no site

www.antologia-delicatta.com


ENTRE EM CONTATO E PARTICIPE!!!

VEJA AS FOTOS DOS LANÇAMENTOS ANTERIORES

www.flickr.com/photos/antologia_delicatta


VEJA O VÍDEO DE LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA DELICATTA III NA BIENAL


www.youtube.com/watch?v=VQ9xjaSiDQg

Cerca

No céu
de néon
o paraíso tão perto
O fast food tão longe.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

A Distância

Fuga

A poesia fugiu...
Saiu por aquela porta jurando nunca mais voltar.
Eu decidi que não vou prendê-la.

Antes pelo contrário.
Vou deixar a porta aberta
pra ela voltar quando quiser...

sábado, 17 de janeiro de 2009

Ilusão

(imagem de hollingworth)

Gosto

Rosas...
Eu gosto mesmo é de rosas.
Que me perdoem, as gérberas, as buganvílias e os jasmins.

....

Estou distraída no mundo...

As coisas estão mesmo no lugar?
Será certo que o azul do céu está mais azul ou seria verde amarelado?

Não.As coisas não estão em seus devidos lugares.
As coisas não podem estar em seus devidos lugares.

Arremesso uma caneta e ela cai na estrela da vida inteira.
Se não vou pra Pasárgada, meu deus para onde vou?

Para onde vou nessa hora,
nessa hora em que meu amor me deixou?

Distraída no mundo
leio Leminski, e choro.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Chuva

Quereres

Resolvi querer você
De repente
E quando vi
Era pra sempre

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Travessia

Lua em virgem

Sou mulher simples de gestos pequenos
e mãe ordeira.

Da infância humilde aprendi a
carregar minha dores e um
infinito por dentro.

Infinito
Feito de sóis com anéis
e uma cadeira pra descansar
quando tudo mais parece perdido.

Inquieta, não sou de desejos profundos
e ambições oblíquas.

Sou quase a mesma menina
que pastoreava sonhos e gentes ao meu redor.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Quero

Viver muda
num sonho desperto

árido deserto
de tetas e falos.

Não quero fala
não quero tapas

nem tetos
ocupados por ratos

Quero a vida.

Viver muda

num árido deserto
esperto

cheio de paixão e poesia

Outside

(Imagem Christian Coigny)

A Fuga

Procuro minhalma entre as contas e as colchas de retalhos.

Teu silêncio quieto me observa.
Mais fere que incomoda.

Remexo nos armários e nas profundezas do meu eu calado.

Onde andará minhalma?onde se escondeu sua luz?

Ignoro a canção dos pássaros.
Elas brotam em armadilhas e
recantos da minha floresta.

Ignoro, como ignoro o medo
da escuridão e das melodias
que meu coração pacientemente
decora. Quieto.

Esperando que minha alma dê sinal de vida.

Mas ela saiu sem deixar rastros
Ela fugiu disfarçada,
ferida com a ira das tuas palavras.

Ignoro que estou tão sozinha, tão sozinha que chega a doer.
Ignoro.

E vou brincando de ser feliz em segredo.

sábado, 10 de janeiro de 2009

Estado de sêmen
é sonhar sua língua úmida
perdida dentro de mim...

sutileza

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Mudanças

Eu mudo
tu mudas
ele muda
nós mudamos
os blogs mudam...

Graças a Deus!

Resolvi mudar o template, o antigo tava muito triste, e como 2009 inicia um novo ciclo de nove anos, pretendo que tudo seja claro, seja limpo, seja diferente.

Espero que gostem.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Chamado

Venha depressa
venha por ali e não por aqui
venha pela veia do meu coração
que é mais perto

E não estranhe meu chamado
Não me deixe na mão.

Venha correndo meu coração,
venha estremecer sob as chamas comigo
venha fumar esse último cigarro
venha ler comigo essa última estrofe que fiz pra ti

Mas venha depressa
antes que começe a estação dos ventos
antes que meu rito vire passagem
e que meu cio por ti vire perigo

Venha depressa antes que os anjos anunciem aleluia
e que os deuses atirem sobre nós os restos de porcelana.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009